Má Formação

Caso inédito no mundo é tratado no HU-FMA e salva a vida de criança de 6 meses

ter, 27/11/2018 - 15:31

Paciente se recupera bem depois de procedimentos que reuniram equipes de dois hospitais universitários

Foto: Onze horas e meia de cirurgia contou com a participação de sete equipes

São Luís (MA) – Seis meses de luta, persistência e a vitória até aqui podem ter garantido a vida da pequena Ana Laura Rodrigues, internada no Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HU-UFMA), vinculado à Rede Ebserh. Ela nasceu em abril deste ano na Maternidade Maria do Amparo, em São Luís (MA), com um quadro gravíssimo e raro, o primeiro registrado no mundo.

Internada em maio na UTI Neonatal da Unidade Materno Infantil do HU-UFMA, foi diagnosticada com associação de agenesia de esterno (má formação da parede torácica) com cardiopatias congênitas (alteração na estrutura do coração). Diante do ineditismo do caso, as primeiras medidas buscaram o tratamento fora de domicílio, sem êxito.  Foi o bastante para a equipe multiprofissional envolvida se mobilizar pela sobrevivência da criança.

Onze horas e meia de cirurgia que contou com a participação de sete equipes e profissionais de dois hospitais universitários produziram um resultado pós-operatório animador. Inicialmente, foi feito o procedimento cirúrgico de fechamento de comunicação intraventricular (CIV) e de comunicação intra-arterial (CIA), pela equipe de cirurgia cardíaca coordenada pelo cirurgião cardíaco Joseval Lacerda.

A equipe da cirurgia torácica, coordenada pelo cirurgião torácico Elias Amorim, com a participação Petrúcio Sarmento – médico convidado do Hospital Universitário Lauro Wanderley da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), também vinculado à Rede Ebserh –, fez a toracoplastia (operação que consiste em modificar a estrutura da caixa torácica), uma vez que a paciente nasceu sem o esterno e sem parte das cartilagens costais. Em outra frente, a equipe da cirurgia plástica realizou o enxerto livre de pele total sob a coordenação do cirurgião plástico Paulo Mocelim. A cirurgia foi um sucesso e a criança segue se recuperando na UTI Pediátrica.

Elias Amorim, explica como foi todo o processo até a decisão final para que a cirurgia fosse feita no próprio HU-UFMA. “A paciente representa o primeiro caso registrado no mundo e isso foi algo que mexeu com todos, pois tratava-se de uma situação muito delicada. Os riscos eram iminentes. O caso foi discutido até com um profissional em Boston, que disse não ter registro de uma situação igual a essa”, contou o cirurgião torácico.

Para Petrúcio Sarmento, que aceitou o convite para contribuir com a equipe, o desafio era engrandecedor. “Foi uma cirurgia extremamente complexa. Comecei a acompanhar o caso quando ela estava com quatro meses e quatro quilos. Graças a uma interação entre dois hospitais universitários foi possível fazer essa cirurgia que envolveu três especialidades. É uma felicidade saber que ela está se recuperando bem, que a cirurgia foi um sucesso e que nós cumprimos o nosso papel de aplicar o nosso conhecimento e levar a esperança às pessoas que mais necessitam”, afirmou o médico da Paraíba.

Evolução

A evolução do estado de saúde da pequena Ana Laura é acompanhada com carinho e preocupação constante pelos profissionais envolvidos no caso. A médica Camila Ramos, da UTI Pediátrica, destaca como a paciente tem reagido.  “Ela é uma criança que estava entubada há seis meses, o desmame da ventilação foi lento, mas ela tem progredido dia a dia. Está conseguindo respirar sem os aparelhos. Uma grande vitória.  O médico Petrúcio Sarmento, mesmo de longe, também tem acompanhado, pois todos os dias os exames da criança são enviados a ele”, esclareceu. 

Radiante de felicidade, a mãe da pequena guerreira, Claudia Rodrigues, diz sentir grande alívio por ver a filha fora de perigo. “Fiz todo o acompanhamento, mas só foi descoberto o problema da minha filha no dia em que ela nasceu. Foi um susto para toda a família. Tivemos que adiar o sonho de tê-la em casa em poucos dias, por uma longa espera para uma cirurgia. Não foi fácil, mas hoje estamos muito contentes por ver a evolução dela”. Claudia, inclusive, faz questão de antecipar seu pedido de Natal. “Gostaria muito que nas festas de fim de ano minha filha já estivesse conosco em casa”, diz, esperançosa. 

A equipe de anestesiologistas teve à frente Victor Ugo Castilhos. O acompanhamento contou também com demais profissionais na UTI Neo, coordenada pela pediatra e neonatologista, Marynea Vale, e na UTI Pediátrica, coordenada pela médica intensivista, Rejane Karla Santana Albuquerque.

Sobre a Ebserh

Desde janeiro de 2013, o HU-UFMA faz parte da Rede Ebserh. Vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

A empresa, criada em dezembro de 2011, administra atualmente 40 hospitais e é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

Fonte
Com informações do HU-UFMA
Ebserh Sede
Região nordeste
Região centro-oeste
HU - UFMA
caso inédito
coração
operação
cirurgia