Novembro Azul

Médico da Rede Ebserh fala sobre os cuidados da saúde dos homens

sex, 29/11/2019 - 11:21

O câncer de próstata é a segunda causa de morte de pessoas do sexo masculino no Brasil

Campo Grande (MS) – O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros, causando cerca de 14 mil mortes por ano. As principais vítimas são homens a partir dos 50 anos. Este número poderia ser reduzido se os homens realizassem exames preventivos anualmente. No entanto, o preconceito ainda é uma grande barreira. Para conscientizar a população sobre a necessidade de se cuidar foi criado o Novembro Azul, que é um movimento mundial durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Para esclarecer mais sobre o mês de conscientização e a saúde do homem, profissional da Rede Ebserh João Juveniz, que atua no Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Humap-UFMS/Ebserh) fala sobre esse problema. Além de atual no Humap, João Juveniz é médico especialista em Urologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), professor-doutor e Presidente da Sociedade Brasileira de Urologia, Secção MSe profissional do Humap.

Qual é a relação entre o aumento da expectativa de vida e o câncer de próstata?

A próstata faz parte do sistema geniturinário (que produz a secreção que ajuda na fecundação) e é sensível a esse hormônio masculino, que é produzido todos os dias. Ou seja, quanto mais idade, mais tempo produzindo esse hormônio, aumentando assim as chances de ter problemas de próstata. 

Quais são s problemas relacionados à próstata?

Infecção (prostatite), aumento da próstata (hiperplasia) e câncer.

Quais são os sintomas?

O mais comum é o aumento da porção interna da próstata (hiperplasia prostática benigna), que pode obstruir o canal da uretra, causando dificuldade para urinar, jato urinário entrecortado, gotejamento, jato fino, acordar várias vezes durante a noite para urinar e urgência em urinar. Estes são alguns dos sintomas do aumento do órgão. O câncer de próstata aparece na cápsula da próstata, portanto, não tem sintomas em sua fase inicial, ou seja, 95% dos pacientes com câncer de próstata que têm sintomas é porque a doença já está avançada. 

Como descobrir se a próstata apresenta algum problema?

Prostatite, hiperplasia e câncer doenças alteram o PSA (exame de sangue). Por isso é tão importante realizar os exames preventivos: o PSA e o exame físico, que é o toque retal, realizado pelo próprio médico em ambiente de consultório. A partir de uma anamnese (espécie de entrevista entre médico e paciente), com uma consulta médica, com o PSA e com o toque, o médico consegue fazer o preventivo da próstata. Ele consegue verificar se tem alguma alteração desta próstata, que será investigada se houver alguma alteração.

Quem deve fazer o exame de próstata?

Todos os homens a partir dos 45 a 50 anos devem fazer. Os homens que têm fatores de pré-disposição (negros, obesos, sedentários, com histórico familiar da doença) devem começar os exames preventivos a partir dos 40 anos.

João Juveniz alerta que número de vítimas poderia ser reduzido se os homens realizassem exames preventivos anualmenteComo proceder se o exame apontar câncer?

Primeiramente é avaliado em que local está o câncer: se está só na próstata, se está ao redor dela, se está distante da próstata ou se existe metástase (outros locais afetados). Quando a doença está restrita à próstata e é realizado o tratamento, cerca de 90% dos casos têm cura. Esse tratamento é por meio de cirurgia ou radioterapia. Em casos mais avançados, são utilizados outros medicamentos associados. 

Onde procurar ajuda?

Basta procurar uma unidade básica ou posto de saúde para realizar os exames de PSA gratuitamente. Se houver alteração, o médico irá encaminhar o paciente para um urologista, que geralmente fica em uma unidade secundária ou terciária para realizar os exames mais específicos.

Quais as consequências da retirada da próstata?

A retirada é feita por meio de procedimento cirúrgico ou, em alguns casos, com radioterapia. As principais consequências são a incontinência urinária e a impotência sexual.

Como são os procedimentos e a recuperação do paciente?

Hoje em dia as técnicas avançaram bastante. O paciente consegue operar, fazer tratamento, reabilitação e se recuperar com facilidade. Quando se realiza uma cirurgia com boa preservação da parte nervosa e o paciente faz um bom controle pós-operatório, com exames e fisioterapia, as funções da próstata são recuperadas.

Existem técnicas mais atuais que tratam apenas a parte do nódulo, mas depende muito da agressividade do tumor.  Normalmente são tumores menos agressivos, bem localizados, onde são feitas terapias focais, que realizam uma espécie de queima desse tumor (ablação local). A cirurgia é feita com um corte umbilical (corte de 8 cm), por onde se retira a próstata e se coloca a bexiga em contato total com a uretra. O paciente fica internado no máximo até três dias e usa uma sonda durante 10 dias.

Como prevenir?

Para qualquer situação, e não apenas para o câncer, é importante ter hábitos de vida saudáveis, prevenir a obesidade, reduzir o consumo de álcool e tabaco, realizar atividades físicas, evitar o sedentarismo. Isso tudo está relacionado a uma melhor qualidade de vida e também a um aumento da expectativa de vida.  

Sobre a Rede Ebserh

O Humap-UFMS faz parte da Rede Ebserh desde dezembro de 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Devido a essa natureza educacional, a os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Hospitalar Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Fonte
Coordenadoria de Comunicação Social da Rede Ebserh
novembro azul
joão juveniz
humap-ufms
prevenção
câncer de próstata