Notícias sobre o AGHU Notícias sobre o AGHU

Voltar

Maternidade no RN implementa novo modelo de atendimento

Melhorias

Maternidade no RN implementa novo modelo de atendimento

Triagem de classificação de risco, que é novidade, substitui o cadastro e atendimento manual

Natal (RN) – A Maternidade Escola Januário Cicco, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (MEJC-UFRN), aperfeiçoou o sistema de cadastramento e atendimento às mulheres no Serviço de Atendimento de Urgência (SR) visando organizar dados e a fila de espera das pacientes.

O procedimento anteriormente era feito com uma ficha para identificar e classificar o risco das gestantes. Agora, conta com um painel que indica a classificação de acordo com a prioridade e a gravidade do caso, não mais pela ordem de chegada. O objetivo dessa novidade, feita por meio do Aplicativo de Gestão para Hospitais Universitários (AGHU), é facilitar o atendimento e a internação a partir do uso da triagem, processo que determina a prioridade do tratamento de pacientes com base no risco existente.

A ordem é baseada pelo protocolo do Ministério da Saúde que define as cores como: azul (não urgente), verde (pouco urgente), amarelo (urgente), laranja (muito urgente) e vermelho (emergência). O painel presente, além de mostrar essas cores de classificação, também mostra a hora de chegada da paciente.

Diminuição de erros

O sistema também melhora a comunicação entre as enfermeiras e os médicos, seja na área de atendimento ou na sala de espera, pois diminui riscos quando a unidade conta com uma lata demanda de pacientes.

A enfermeira Diana Cruz destaca que a modernização diminui o deslocamento para poder informar os casos das mulheres com situações mais graves. “O grande ganho dessa informatização está sendo a comunicação direta, por meio do sistema, entre os dois setores que trabalham totalmente em conjunto – a classificação de risco e a urgência”, disse ela.

Outro ponto positivo da adaptação foi a agilidade na contagem e no levantamento de dados e índices do hospital. “Antes, tínhamos que contabilizar um por um para fazer levantamentos para o hospital. Hoje, temos tudo no sistema”, retrata.

Com informações da MEJC