Notícias Notícias

Voltar

Pesquisa do Hucam associa dor crônica com risco de suicídio

Setembro amarelo

Pesquisa do Hucam associa dor crônica com risco de suicídio

O suicídio é um problema de saúde pública

É comum a presença de distúrbios psiquiátricos em pacientes com dor crônica. Muitos serviços que tratam da dor não dispõem de uma abordagem multidisciplinar para o reconhecimento de outros distúrbios associados e a determinação de uma melhor estratégia de tratamento.

A associação de dor se correlacionou com transtornos depressivos e risco aumentado de suicídio, sendo a fibromialgia, a condição clínica mais prevalente. Essa conclusão é de uma pesquisa de associação de transtornos psiquiátricos em pacientes com dor crônica musculoesquelética atendidos em ambulatório de referência, do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes, da Universidade Federal do Espírito Santo (Hucam- Ufes), Vitória, Espírito Santo.

A pesquisa é um trabalho de mestrado do Dr. Rubens Horst Duque, e os orientadores Dra. Maria Bernadete Gavi – reumatologista e o Dr. Valdir Campos, Psiquiatra.

De acordo com o Psiquiatra, a utilização do MINI-PLUS nos pacientes com dor Crônica permitiu analisar dados psiquiátricos importantes. Foram avaliados 77 pacientes com idade entre 22 e 60 anos de junho de 2016 a março de 2017, acompanhados por dor crônica, e 50 controles. Foram encontrados 89,6% de prevalência de distúrbios psiquiátricos no grupo com dor crônica contra 34% nos controle. Fibromialgia (63%) e lombalgia mecânica (36%) foram condições clínicas mais frequentes entre casos.

Há maior prevalência de Transtornos do Humor; ansiedade com ataques de pânico foi observada em 39%; agora fobia em 23%. Episódio depressivo maior com características melancólicas (26%), transtorno misto de ansiedade-depressão atual (26%) e risco de suicídio (26%). Dos pacientes psiquiátricos 53% tinham fibromialgia. Há maior percentual de pacientes com dor no grupo com distúrbios psiquiátricos, com 58% afastados do trabalho.

Os resultados parciais do trabalho de pesquisa, serão apresentados como Tema livre no Congresso Brasileiro de Reumatologia, em   Florianópolis, 13 a 16 de setembro; e dois Pôsteres no Congresso Brasileiro de Psiquiatria, que acontecerá entre os dias 25 a 28 de outubro em São Paulo.

Setembro Amarelo

O DIA Mundial de Prevenção ao Suicídio tem ações em todo o país, 10 de Setembro, porém o HUCAM - UFES, decidiu realizar no dia 03 de outubro o 1° Simpósio de Saúde Mental, de 8 às 12 horas, no auditório Rosa Maria Paranhos, elefante Branco, quando esses e outros dados serão conhecidos e discutidos.

O suicídio é um problema de saúde pública. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2012, cerca de 804 mil pessoas morreram por suicídio em todo mundo. A cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio em alguma parte do planeta. No Brasil 10.000 pessoas se suicidam todos os anos.

De cada suicídio, de seis a dez outras pessoas são diretamente impactadas, sofrendo sérias consequências difíceis de serem reparadas. 97% das pessoas que se mataram tinham algum transtorno mental como depressão transtorno bipolar e dependência de álcool ou outras drogas e esquizofrenia.

O problema é muito mais grave nos países pobres e representa a segunda maior causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos. As taxas são maiores entre os idosos do que entre os jovens, mas em números absolutos é maior na faixa dos 15 aos 34 anos. Segundo o Psiquiatra Dr. Valdir Campos: “o reconhecimento de fatores de risco e dos fatores protetores é fundamental e pode ajudar os profissionais de saúde a determinar clinicamente o risco e, a partir desta determinação, estabelecer estratégias para reduzi-lo.”