Notícias Notícias

Voltar

Ministério da Saúde autoriza Ambulatório de Diversidade de Gênero

conquista

Ministério da Saúde autoriza Ambulatório de Diversidade de Gênero

Serviço pioneiro no SUS do Espírito Santo ganha novo patamar

O Ministério da Saúde deu habilitação neste mês de março para o Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam-Ufes) instalar oficialmente o Ambulatório de Diversidade de Gênero. Uma cerimônia para marcar a conquista deve ocorrer no dia 17 de maio, data em que se celebra no mundo o combate à LGBTfobia.

Neste ambulatório são atendidos cidadãos e cidadãs que passam pelo processo de transexualização. O trâmite para a habilitação estava em curso desde 2015. Mesmo assim, desde agosto de 2016, o Hucam oferece o serviço, em caráter piloto. Cerca de 120 pessoas, exclusivamente residentes no Espírito Santo, são acompanhadas pela equipe multiprofissional que o hospital dispõe para esse público.

 O time que atua no Ambulatório é composto de urologista, enfermeiro, psicólogo, assistente social, endocrinologista, ginecologista, fonoaudiólogo, psiquiatra e infectologista. Com a habilitação, a remuneração do Sistema Único de Saúde ao hospital pelos serviços realizados sobe de patamar. Além disso, abre oportunidade para que a instituição possa, além de prescrever, ter autorização para comprar os hormônios usados durante a transexualização.

Sobre o nome do ambulatório

A equipe multiprofissional decidiu intitulá-lo como Ambulatório de Diversidade de Gênero em atendimento às diversas formas de manifestação de gênero, que devem ser respeitadas. A equipe decidiu iniciar os atendimentos ambulatoriais mesmo sem habilitação, como forma de absorver a demanda reprimida criada ao longo dos anos e para tentar entender quais eram suas reais necessidades.

A entrada de usuários no programa do Ambulatório de Diversidade de Gênero se dá por meio de reuniões mensais chamadas de “acolhimento”, em que é explicado como se dá o tratamento ambulatorial e as regras de funcionamento. Além disso, são escutadas as expectativas destes usuários, que saem dessa reunião já com encaminhamentos para realização de exames e consultas com assistente social e psicólogo. Após passarem por estes dois profissionais, havendo consenso, o (a) usuário (a) é encaminhado (a) ao endocrinologista. Qualquer profissional que achar necessário pode encaminhar esse (a) usuário (a) ao psiquiatra. A procura está equilibrada quanto ao número de homens trans e mulheres trans. Os usuários tem dado respostas positivas sobre a melhora no acesso para tratamento de suas demandas.