Minha História com a Rede Ebserh Minha História com a Rede Ebserh

O projeto “Minha História com a Rede Ebserh” apresenta relatos de superação e a trajetória até a cura dos pacientes atendidos pelos nossos hospitais universitários federais. É o seu trabalho mudando a vida de quem mais precisa!

Voltar

“O que eu não sabia era que meu bebê não dormia, mas sim desmaiava”

Minha História com a Rede Ebserh

“O que eu não sabia era que meu bebê não dormia, mas sim desmaiava”

Imagem

“Com 15 dias de vida, o João Vitor tossia e espirrava muito. Tão pequeno e indefeso, eu achava que ele havia contraído uma gripe. Levei-o à pediatra em Lassance (MG), minha cidade natal, e após a realização de exames, soube que meu pequeno João tinha um probleminha no coração, e então foi encaminhado para um especialista. Ele também dormia muito rápido após mamar, mas achava que aquilo acontecia porque ele era um menino muito calmo.

Quatro meses depois, chegamos ao Hospital das Clínicas da UFMG, onde ele foi atendido pela cardiologista pediátrica Zilda Meira. Durante o atendimento, o João mamou e, como de costume, dormiu. O que eu não sabia era que, na verdade, ele não dormia, mas sim desmaiava. Ela olhou o João, pegou ele dos meus braços e saiu correndo. João Vitor tinha Tetralogia de Fallot, uma má-formação congênita do coração que eu não sabia. Quando cheguei ao pronto-atendimento do hospital, para onde a Dra Zilma havia levado meu filho, meu pequeno estava cheio de aparelhos. Foi quando fez a primeira cirurgia.

Depois, aos 4 anos, ele submeteu-se a uma nova cirurgia. Eu e meu marido sabíamos da necessidade de outra intervenção, mas como ele se sentia bem e não apresentava sintomas, revolvemos ir adiando até quando fosse possível. Nos últimos tempos, no entanto, ele sentia cansaço quando corria e fazia esforço físico, pois seu coração já começava a inchar.

No último dia 22, João se submeteu à terceira cirurgia em 15 anos para troca de válvula pulmonar. O resultado não poderia ser outro: sucesso. Por isso mesmo, eu só tenho a agradecer ao Hospital das Clínicas da UFMG e a toda a sua equipe pela vida do meu filho. É muito gratificante receber um atendimento gratuito tão maravilhoso como o do HC.  São 15 anos saindo de Lassance, periodicamente, às 3h30 da manhã para chegar ao hospital às 7h. Mas para nós isso nunca foi um sacrifício, e sim, um privilégio”.

Marilene Alves de Oliveira, 42 anos, dona de casa

Mãe de João Vitor de Oliveira, 15, paciente do HC-UFMG

Sobre a Ebserh

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG) faz parte da rede da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), estatal vinculada ao Ministério da Educação que atualmente administra 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.