Voltar

“As três Marias tiveram alta juntas”

Relatos de quem cuida

“As três Marias tiveram alta juntas”

Imagem

Aos 21 anos, descobri que meu caminho era a enfermagem. Tive certeza disso quando estava fazendo o curso técnico. Trabalhei como técnica por 10 anos no interior de Rondônia e tive a oportunidade de ingressar na Faculdade de Enfermagem. Passei no concurso da Rede Ebserh e fui para Cuiabá, lotada na UTI Neonatal do Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM-UFMT). Entrei e não quero mais sair.

Trabalhar na Unidade Intermediária da UTI Neonatal me permite conhecer muitas pessoas em um momento não esperado em suas vidas. Vejo muitas mães tendo alta hospitalar e indo embora, deixando seus bebês aos nossos cuidados. Muitas vezes chorando em desespero. Afinal, após um parto prematuro, o que mais os pais almejam é estar com seus bebês. Já cuidei de alguns recém-nascidos por mais de 60 dias. Impossível não estabelecer um vínculo.

Somos hospital de referência em gestação de risco. Então, o parto de gêmeos aqui é comum. Mas teve uma vez que marcou demais. Recebemos duas mães que tiveram trigêmeos. Maria Sofia, Maria Luz e Maria Vitória ficaram internadas na UTI Neonatal e depois, uma a uma, foram transferidas para a Unidade Intermediária (UCinco) para ganhar peso. As três Marias tiveram alta juntas e saíram do hospital sob olhares fascinados.

O outro casal teve três meninos, que ficaram internados no mesmo período. A mãe deles se desdobrava para amamentar os bebês, porque um teve alta e outros dois saíram tempos depois. Ela amamentava um na recepção do hospital, ia para a UTI trocar de lugar com o marido, amamentava os que estavam internados e assim era o dia a dia. Era bonito ver a tranquilidade dessas mulheres. Elas não conseguiram manter a gestação até o fim, mas tinham uma força inabalável. Confiavam que levariam os filhos para casa. Quando o dia chegou, parecia uma comitiva que mexeu com a rotina do hospital.

Aqui é assim. A gente conhece pessoas de outras cidades, de outros estados e até de outros países, principalmente da Bolívia e do Haiti. Depois da alta, nos tornamos amigos dos pais e mantemos contato em redes sociais. Eles trazem os filhos para a gente rever a cada retorno hospitalar. Na última semana, por exemplo, fui ao aniversário de 1 ano de um bebê. 

Regiane de Oliveira

Enfermeira – HUJM-UFMT

Sobre a Ebserh

Desde novembro de 2013, o HUJM-UFMT faz parte da Rede Ebserh. Estatal vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do SUS, e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

A empresa, criada em dezembro de 2011, administra atualmente 39 hospitais e é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.



Relatos de Quem Cuida Relatos de Quem Cuida

O projeto “Relatos de quem cuida” apresenta histórias de atendimentos de saúde marcantes na vida dos colaboradores (funcionários, estudantes, residentes, professores) dos hospitais da Rede Ebserh. É o trabalho de pessoas que se dedicam para mudar a vida de quem mais precisa!