Voltar

“Meses depois, estava visivelmente melhor e sorrindo”

Relatos de quem cuida

“Meses depois, estava visivelmente melhor e sorrindo”

Imagem

Me formei em Medicina pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 1981 e nunca deixei a instituição. Fui interna, residente, mestranda e doutoranda da UFBA, tornei-me professora e desde 1992 faço parte do serviço de Onco-hematologia. O dia a dia nesta especialidade é intenso, temos o desafio de diagnosticar de forma precisa e indicar o tratamento mais adequado. Além disso, também temos o desafio emocional de conseguir perceber as aflições e angústias do paciente.

Em 37 anos de medicina foram muitas histórias marcantes, mas me recordo especialmente de um estudante, de cerca de 20 anos, que chegou até mim em seu leito de morte, numa situação de extrema fragilidade física e emocional. Apesar de não ter sido meu paciente minha maior satisfação foi encontrá-lo meses depois de iniciado seu tratamento, visivelmente melhor e, mais ainda: sorrindo. Naquele momento, a minha realização estava em saber que havíamos proporcionado a ele a oportunidade do tratamento.

Ser médico não é sempre acertar no melhor caminho para ser seguido; buscar o melhor tratamento é nossa obrigação. Ser médico é acompanhar o paciente e acolhê-lo em suas decisões, mesmo que não sejam tecnicamente as melhores. Medicina é compaixão. Temos o dever da capacidade técnica, mas além desse temos o dever de cuidar do ser humano. O toque, o olhar e a escuta são fundamentais, o paciente é único e precisa sentir isso.

Em sala de aula falo constantemente com meus alunos sobre essa necessidade de individualizar o tratamento e construir o diagnóstico. O papel do médico também é terapêutico, pela presença e pelo acolhimento.

Medicina é minha vida, luto pelos meus pacientes e sou uma defensora do SUS. Faria tudo novamente mil vezes.

 

Maria da Glória Bomfim Arruda

Hematologista do Hupes-UFBA

Sobre a Ebserh

Desde dezembro de 2013, o Hupes-UFBA é filiado à Rede Ebserh. Estatal vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) administra atualmente 40 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do SUS, e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

A empresa, criada em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.



Relatos de Quem Cuida Relatos de Quem Cuida

O projeto “Relatos de quem cuida” apresenta histórias de atendimentos de saúde marcantes na vida dos colaboradores (funcionários, estudantes, residentes, professores) dos hospitais da Rede Ebserh. É o trabalho de pessoas que se dedicam para mudar a vida de quem mais precisa!