Relatos de Quem Cuida Relatos de Quem Cuida

O projeto “Relatos de quem cuida” apresenta histórias de atendimentos de saúde marcantes na vida dos colaboradores (funcionários, estudantes, residentes, professores) dos hospitais da Rede Ebserh. É o trabalho de pessoas que se dedicam para mudar a vida de quem mais precisa!

Voltar

“Ela restabeleceu a comunicação com sua família por meio da arte”

Relatos de quem cuida

“Ela restabeleceu a comunicação com sua família por meio da arte”

Imagem

Em maio de 2017, uma paciente oncológica de 22 anos deu entrada no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), com um sangramento na coluna.  Passou por um procedimento neurocirúrgico e foi direto para a UTI, onde ficou seis meses internada. A paciente acabou por ficar tetraplégica e teve que ser submetida a mais de 30 sessões de radioterapia durante sua internação.

Desde o primeiro dia em que ela chegou a Unidade de Clínica Médica, a situação dela inspirava muito preocupação. Paciente ainda muito jovem, oncológica, tetraplégica, com traqueostomia definitiva... Apesar de a paciente ter respondido muito bem às sessões de radioterapia e de ter havido significativas melhoras nas condições clínicas, haviam muitas limitações. Mas esse momento acabou resultando em um incrível exemplo de um trabalho coeso, humanizado e com foco no paciente de toda a equipe multidisciplinar do hospital.

Por não conseguir falar e com dificuldades de movimentação abaixo do pescoço, a paciente tinha dificuldades em se comunicar. Com a equipe do hospital, aos poucos foi se desenvolvendo uma comunicação por meio de olhares, porém, a paciente não tinha como estabelecer um contato mais amplo, especialmente com sua filha de apenas oito anos. A Terapeuta Ocupacional ajudou a paciente e desenvolveu atividades de pintura, e por meio destes desenhos, ela pode “conversar” com a filha. Ela se expressa muito bem com os meios que nós desenvolvemos.

Com o quadro estabilizado, nossa preocupação era em proporcionar segurança e qualidade de vida a esta paciente de casa, depois da alta hospitalar. A equipe multidisciplinar treinou a família dela para prestar os cuidados necessários.  Como ela tem uma traqueostomia definitiva, a família teve que aprender a fazer a aspiração, além de passar a sonda, caso necessário.

O serviço de assistência social do HUGV articulou com o sistema de saúde do estado a inserção da paciente no programa de suporte aos pacientes que precisam de acompanhamento domiciliar, então, ela terá uma periodicidade de visita de fisioterapia, serviço social, para ver as condições em que se encontra. Ela é uma paciente oncológica e ainda vai precisar fazer quimioterapia, mas já conseguimos fazer isso antes da alta dela.

Nos deixa feliz é o fato de ela não ter desenvolvido nenhuma úlcera de contato apesar do tempo acamada, de termos segurança que a família possa dar a ela o apoio que ela precisa após a alta, e o fato de termos ajudado ela a restabelecer a comunicação com sua família – e especialmente com sua filha – por meio da arte.

Isso deixa a gente gratificada porque houve empenho de toda a equipe multidisciplinar: fonoaudiólogo, fisioterapeutas, assistente social, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, enfermagem, técnicos de enfermagem. Ela foi uma paciente em que vimos toda a logística multiprofissional em ação, atuando de forma humanizada e o foco na qualidade de vida da paciente. Para a clínica, ela representa um símbolo de todo esse trabalho coeso, é o resultado positivo de toda a equipe multiprofissional do HUGV, e isso é realmente inspirador.

Valdelanda Alves (foto, ao centro)

Enfermeira e Chefe da Clínica Médica – HUGV-Ufam

Sobre a Ebserh

Desde novembro de 2013, o HUGV-Ufam faz parte da Rede Ebserh. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

A empresa, criada em dezembro de 2011, administra atualmente 40 hospitais e é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh. 

Foto: Equipe multidisciplinar que atuou no atendimento da paciente